Segunda Plenária de 2020 apresenta novos facilitadores, atualização dos fóruns e FTs e debate sobre a nova década

 

A Segunda Plenária de 2020 da Coalizão Brasil aconteceu no formato on-line, no dia 2 de dezembro, com o anúncio dos novos facilitadores do movimento para 2021, uma atualização do trabalho dos Fóruns de Diálogo e Forças-Tarefas e um debate sobre o Brasil na nova década. O evento, transmitido pelo YouTube e está disponível neste link.


Na primeira parte da plenária, foram apresentados os novos cofacilitadores da Coalizão Brasil: Rachel Biderman, vice-presidente da Conservação Internacional, e Marcello Brito, presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag). Britto já havia assumido a posição em março deste ano, em substituição a Luiz Cornacchioni, à época diretor presidente da Abag. Com a chegada de Rachel, André Guimarães, diretor executivo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), deixa a posição de cofacilitador.


“É uma honra poder estar ao lado de todos vocês e sonhar com um Brasil melhor, que sabemos que irá acontecer”, afirmou Biderman. “O ano de 2021 será de enormes desafios e estou animado, porque também será um ano de enormes oportunidades”, acrescentou Brito.


Saiba mais como foi a transição de facilitação aqui.

 

Números de 2020


Na sequência, Fernanda Macedo, coordenadora de Comunicação e Advocacy da Coalizão, atualizou o público da plenária sobre os números acumulados no ano. O movimento recebeu dezenas de adesões em 2020, chegando a 265 membros.

 

Macedo ressaltou, ainda, o alto engajamento interno: os Fóruns de Diálogo e as Forças-Tarefa (FTs) já somavam 185 reuniões até a plenária. “Nesses encontros preparam-se todas as propostas que são levadas ao poder público, com quem foram realizados mais de 50 encontros”, afirmou.

 

A Coalizão elaborou 17 posicionamentos e manifestações, promoveu 24 eventos e webinares e produziu nove vídeos com conteúdos da agenda do movimento. Oito boletins registraram essas iniciativas. O movimento ganhou mais destaque nas mídias. “Tivemos mais de mil menções na imprensa, em espaços de prestígio, e crescemos 95% nas redes sociais”, afirmou a coordenadora. Em 2020, a Coalizão realizou também um trabalho de branding que resultou em uma nova logomarca, apresentada na plenária, e um novo site, que está em desenvolvimento e será divulgado em 2021.


A coordenadora de Relações Institucionais Laura Lamonica reforçou que “os grandes resultados da Coalizão Brasil em 2020 só foram possíveis por causa dos fóruns e FTs. As FTs endereçam ações mais concretas, tendo os fóruns como um ambiente amplo de engajamento”, e explicou que as atividades dos fóruns podem ser acompanhadas pela Plataforma do Plano de Ação.


Em seguida foram exibidos vídeos com os principais resultados dos fóruns e FTs e expectativas para o próximo ano. O primeiro filme abordou as ações dos fóruns Desmatamento e Políticas Públicas e Instrumentos Econômicos, e o segundo, a atuação dos fóruns Agropecuária e Silvicultura e Floresta Nativa. Após cada vídeo, os representantes desses grupos complementaram com mais informações e comentários sobre as iniciativas.


Saiba mais sobre o balanço dos fóruns e próximos passos aqui.

 

Debate sobre o Brasil na nova década


No último bloco da plenária, aconteceu o debate "O Brasil amanhã: meio ambiente, política e economia na nova década”, com a participação de Carlos Ayres Britto, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Monica de Bolle, pesquisadora do Peterson Institute for International Economics, e Rubens Barbosa, ex-embaixador nos Estados Unidos e Reino Unido, além dos cofacilitadores Marcello Brito e André Guimarães.


Os especialistas falaram sobre a Constituição brasileira e interesses nacionais, a expectativa em torno da relação do Brasil com o governo do presidente norte-americano Joe Biden e a agenda ambiental na diplomacia brasileira, entre outros temas. Os debatedores também comentaram a importância do papel de organizações como a Coalizão. “Temos de continuar trilhando esse caminho, de ter mais pessoas engajadas em uma causa comum, que seja do interesse do País e de todos”, afirmou de Bolle.


Saiba mais sobre o debate aqui.